domingo, 28 de julho de 2013

AQUELA DAMA


És aquela Dama cujo teu olhar…
 Transita no meu caminho:
Com os teus olhos me fitas;
Mas eu me abrigo na lua que vai correndo,   
 E choro palavras que fracturam a minha alma.
Assim eu fico esquecido…
 Ao sol no meio dos pomares…
Ó Senhor as minhas lágrimas secaram;
E o rio da saudade enche o meu coração,  
 Amargo fel de imagens;
De pétalas de flores de Jasmim.
O tempo passa e as nuvens …
Têm vestígios do meu pranto;
Elas cantam o meu pranto:
Ao som das trombetas.
Enfeitiçadas as minhas dores…
Numa estátua de ilusões;
Por onde tantas pessoas passam:
E os passarinhos alinham as suas canções.
Oh! Meu Senhor…
Como é grande o meu desassossego;
Vivo entre o sol e a lua:
 E trago dentro de mim o tormento.
De um ser morto e vivo.
Oh! Meu Senhor…
 Dai-me forças e alento;
Par que eu possa suportar:
 Esta minha grande dor.

Autor: Santa Cruz  

6 comentários:

Mariazita Azevedo disse...

Muito obrigada pelo carinho da tua presença no «LÍRIOS».
A autora do poema, a minha querida amiga Lúcia Barbosa, ficou, também, sensibilizada, o que me manifestou por email.
Eis as suas palavras:
- “Deslumbrei-me com o blog, com a publicação do meu poema, com os comentários tão preciosos. Jamais poderia supor que estas pessoas apreciariam o que me caiu da alma em um desses repentes que vai se saber porque acontecem. Fiquei feliz e comovida. Não tenho palavras para lhe agradecer a honra da bela publicação e a gentileza de seus amigos para comigo”.
É, pois, em nome das duas que eu te digo: “Bem hajas”.
Beijinhos
Mariazita


PS – Desculpa o “Copy & Paste” mas, com as idas à praia, o TEMPO fica muito curtinho…
Voltarei. Fica me aguardando…




✿ chica disse...

Intensidade e beleza em tua poesia! abraços, tudo de bom,chica

Magia da Inês disse...

¸.•°♡

Nessa vida há altos e baixos, dias triste e alegres.
Espero que sempre haja esperança para o dia de amanhã.
Desejo tudo de bom para ti e tua família.
Bom fim de semana!
Beijinhos do Brasil

¸.•°♡♡♫° ·.

luna luna disse...

Dizem que Deus não nos dá cruz maior do que possamos suportar, mas por vezes duvidamos de conseguir leva-la ao calvário
beijos

Sónia M. disse...

Adorei a intensidade deste poema, que li como uma prece.

Um forte abraço

Sónia

Silenciosamente ouvindo... disse...

Bom dia amigo, obrigada por me ter
dito como entrar directamente
nos seus blogues. Já está nos meus
apontamentos. Hoje vim a este.
Está aqui muito boa poesia.
Desejo que esteja bem.
Bj.
Irene Alves